terça-feira, 26 de julho de 2011



A vida lá começa cedo, bem cedo. Lá pelas 4, 5 da manhã, você já sente o cheiro do café e da comida sendo arrumada pra ir pra marmita.
Ninguém coloca terno pra trabalhar. A calça geralmente é jeans, uma camiseta e uma camisa por cima, um chapéu na cabeça e uma bota no pé. No embornal vai a marmita, o pano e as outras ferramentas.Na mão o garrafão de água, a peneira e a enxada.

Quem fica em casa vai tratar das galinhas, dos porcos, vai varrer quintal, molhar a horta. As crianças vão brincar no meio do bambuzal, no corgo, vão pegar peixinho em peneira, subir nos pé de fruta.

Quem saiu com as ferramentas vai plantar, vai colher, vai limpar. Debaixo do sol, da chuva, no meio dos animais que sempre aparecem...
Eles sempre trazem a marca do tempo na pele, seja nos sinais profundos no rosto, no escurecimento feito pelo sol. E nas mãos. Sujas de terra, cheia de calos. O suor escorrendo de tanto trabalho.

Quando o dia finalmente acaba, ele volta pra casa, sentindo o cheiro da comida feita no fogão de lenha. Ao chegar, se senta, olhando o sol se pondo, ou a lua aparecendo.

Lá tudo é cercado por sons. As mais variadas vozes. Os grilos, os sapos, as corujas. É quase um indicativo de que vem festa. E como se gosta de festa lá! E elas são feitas de forma grandiosa, com muita comida boa e muita música.

Quem vive num lugar desse, geralmente tem muita fé. Está cercado pela criação, vê a semente se transformar em arvore. E antes de dormir ora.

Ora para que os frutos venham com abundância, para que chova,para que os animais sejam roliços.

E quando dorme... Os sonhos são variados. Sonha com os tempos em que ia pra cachoeira. O tempo das festas e das paqueras. Sonha com o cavalo xucro sendo domado. Ou sonha com a cidade grande.

Ah....! Mais quem realiza o sonho de ir para aquela cidade... Estando lá, sempre sonha em voltar para trás...

Meu sonho, todas as noites é voltar para aquele lugar cheio de arvores, fruta no pé, corgo, cachoeira, mato, cavalo e vaca.
Voltar pra aquele lugar onde eu andava com o pé no chão, sentindo a terra. Da onde vem o que me alimenta,o que me dá forças para sustentar mais um dia para de noite sonhar de novo, com o verde que minhas mãos ja tocaram muitas vezes....


DIA 28 DE JULHO - DIA DO AGRICULTOR.

Parabéns para aqueles que tem como trabalho formar alimentos para a vida.

2 comentários:

  1. Que lindo Ana! Parabenizo também a todos os agricultores!

    ResponderExcluir
  2. Da uma ideia de paz esse texto, de um lugar calmo, gostei!

    ResponderExcluir